quinta-feira, 1 de novembro de 2007

O AMOR É VOLÁTIL?!


O AMOR É VOLÁTIL?!


Um dia desses, enquanto esperava para ser atendida em um consultório médico, li um artigo de uma psicanalista famoso que me chamou a atenção. A forma como ele falou do amor em entrevista concedida à revista V (Revista Promocional da Volkswagem), me fez entender como as pessoas em sua maioria vêem o casamento, enfim, o relacionamento a dois. Vejamos o que disse o Doutor em Psicologia clínica, colunista da Folha de São Paulo:

“Na 2ª Guerra Mundial, a idéia dominante era de que o casamento era um contrato que tinha alguns propósitos – reproduzir, ter filhos, educá-los... Mas, cada vez mais nessa história de contrato de casamento, manteve-se a problemática do amor. Quer dizer que você não casa só para ter filhos, construir uma família, ter uma casa, construir um patrimônio ou se defender das adversidades da vida juntos em vez de sozinho; não... vocês casam porque amam.... Quando o amor acaba, não tem mais porque ficar juntos, ainda que haja filhos, patrimônio ou o caramba. E o amor acaba por tantas razões: porque as pessoas se transformam ao longo dos anos, e se transformam de maneiras diferentes; porque elas encontram outras pessoas e se apaixonam. O amor é muito mais do que um contrato para construir juntos uma família. O Amor é volátil!”

Contardo Calligaris

O Dr. Calligaris é enfático ao afirmar o amor é um sentimento volátil, ou seja, algo volúvel, inconstante. Enfim, um sentimento que muda com o tempo. Segundo suas afirmações, as pessoas se transformam, mudam ao longo dos anos e em meio a esta mudança, o amor acaba.

Ocorre, entretanto, que existe uma visão diferente para o amor. Neste sentido, aprendemos com o Senhor que o amor é um sentimento forte, inabalável “...porque o amor é forte como a morte” (Cantares 8:06). Um sentimento que supera as crises, as diferenças e o tempo “Assim serviu Jacó sete anos por causa de Raquel; e estes lhe pareciam como poucos dias, pelo muito que a amava” (Gen. 29:20) Ou seja, por mais que a nossa mente mude e se transforme, o amor prevalece, resiste. Poderemos encontrar e conhecer muitas pessoas, mas o amor que nutrimos por quem amamos e dividimos os nossos sonhos continuará firme. E este amor é muito mais que um contrato, e sim uma aliança firmada com a benção de um Deus que é Amor. Enfim, o Deus que nos ensina a amar e a experimentar este sentimento em toda a sua plenitude.

Não pretendo, com este texto, dizer que sou contra os psicanalistas ou doutores em psicologia. Pretendo apenas levantar a bandeira de um amor verdadeiro. Quero apenas dizer que o casamento é uma benção e que pode ser eterno, basta que seja observado a verdadeira essência do amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta (I Cor. 13:07). Amor este que jamais acaba, jamais se esvai com o tempo e com as mudanças.

“O amor jamais acaba...” (I Cor. 13:08)

Ioná Loureiro

Um comentário:

priscila hanna disse...

nossa.... o q falar, dessa "explicação" tão linda (by ioná)?... aliás, uma mulher com uma palavra abençoada, sempre.... amei, kerida amiga.. concordo plenamente, qd se diz q o amor pode sim ser eterno. aliás, deveria ser, pis como a palavra de Deus fala.. ele tudo pode, tudo suporta, td crê.. entaum... suporta o tempo, as diferenças, os problemas.... e estou mt feliz pela homenagem à minha foto... um bj no coração,... xila