quinta-feira, 8 de abril de 2010

Sem perdão, um evangelho mentiroso

"Porque amar a Deus significa observar os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados" (I João 5:3)

Temos uma aliança com Deus e uma de nossas responsabilidades é observar os seus mandamentos. E como nos diz a própria Palavra, os seus mandamentos não são pesados. Ou seja, o Senhor não nos pede nada algo demasiadamente difícil, que seja impossível de realizar.

Neste sentido, tenho refletido bastante sobre um mandamento que o Senhor nos deixou. Uma ordenança que muitos cristãos têm tido dificuldade de cumprir - o perdão. Percebemos que muitos que servem a Deus se dizem cumpridores de seus mandamentos, mas quando a questão é perdoar uma ofensa, a questão toma um outro rumo, uma outra direção. Há uma resistência muito grande em perdoar. Vemos, inclusive, pessoas dentro das igrejas que não falam umas com as outras. Evangélicos que frequentam os cultos, dizem cumprir o seu chamado, porém excluíram de seus corações parentes e familiares. Alguns, inclusive, morando debaixo do mesmo teto, não falam uns com os outros. Pessoas que deixam de lado o que o Senhor nos ensinou com tanto veemência ao compartilhar com os seus discípulos a parábola do servo que teve sua dívida perdoada, mas não soube liberar o perdão a quem lhe devia (leia Mateus 18). Aquele homem obteve o perdão de uma dívida muito grande. Entretanto, quando alguém que lhe perdiu que perdoasse uma dívida bem menor, recusou conceder-lhe o perdão. Ao finalizar a parábola, o Senhor Jesus deixou bem claro que aquele que não sabe perdoar será entregue aos verdugos "Assim vos fará também meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas" (Mateus 18:35). Os verdugos eram guardas da prisão, carrascos que tornavam a vida do prisioneiro um verdadeiro inferno, pois espancavam diariamente o preso, sem dó e sem piedade alguma. Enfim, eram verdadeiros torturadores. O Senhor deixou bem claro que aquele que não perdoa, que oculta a mágoa, a raiva e o rancor, não terá paz. Ao contrário, será atormentado pela sua própria consciência, pois não está agindo de acordo com a vontade de Deus. Existe, em seu coração, uma pendência com o Criador. A falta de perdão nos aprisiona e impede, inclusive, que as nossas ofertas seja aceitas pelo Senhor "... vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem, e apresenta a tua oferta" (Mateus 5:24).

Sabemos que não é fácil perdoar uma ofensa, pois quando alguém nos fere seja por meio de palavras ou atitudes, o nosso ego é tocado e a nossa humanidade nos induz a revidarmos ou excluirmos esta pessoa de nosso convívio, de nossa mente, de nossa história. Só que nestas horas, como filhos de Deus que somos, precisamos deixar de lado a nossa humanidade e nos revestirmos de nossa natureza espiritual que nos ensina a perdoar as ofensas para que sejamos livres. Se não agirmos desta forma, o evangelho que vivemos e pregamos é uma farsa, uma mentira, uma verdadeira hipocrisia, pois o perdão é a essência do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo. 

"Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo" (Efésios 4:32)

Um comentário:

Sei lá disse...

Eu estava passando por algo assim, não conseguir liberar perdão a um irmão da igreja por conta de mentira compulsiva. Mas mediante essa palavra pude perceber que liberar perdão é algo divino dos céus, e seja quantas vezes for preciso, é necessário haver o coração quebrantado e como consequência disso, agir segundo o evangélio de Cristo. Obrigada, Deus te abençoe.